OK! teleseguros – Dia Nacional da Língua Gestual Portuguesa

Olá, talvez ainda não tenha reparado, ou talvez não saiba mas hoje é um dia especial para todos os que partilham a Língua Gestual Portuguesa O país celebra a língua gestual portuguesa que se tornou oficial em 1997! Para os mais curiosos

querem aprender como se cumprimenta? Bom dia Boa tarde Boa noite! Gostaram? Ajudem-nos a fazer chegar, o OK! Gestual a mais pessoas! Basta partilhar este vídeo! Obrigada a todos!

Dia Nacional Língua Gestual Portuguesa | Ativar ou desativar as legendas

Olá pessoal Eu sou a Jéssica Que dia é hoje? É dia 15 Novembro então é dia Nacional da Lingua Gestual Portuguesa Hoje eu trago-vos uma pessoa que é professora de Língua Gestual Portuguesa O seu nome gestual é este e chama – se Ana Madeira Aqui está ela Olá todos o meu nome gestual é este, sou professora de LGP e trabalho na ilha Santa Maria nos Açores

Agora que já sabem quem ela é, eu vou – lhe fazer algumas perguntas Então o reconhecimento da LGP deu – se dia 15 Novembro de 1997, já lá vão 20 anos A língua Gestual Portuguesa tem gramática que envolve 5 parâmetros, mas eu vou destacar 3 a configuração, o movimento e a orientação, a expressão depende, às vezes tem, noutras não Então a lingua materna é a primeira língua que cada pessoa aprende Por exemplo, as ouvintes, ouvem e começam a dizer palavras então a lingua materna é a língua oral, em Portugal é o português oral Nós os surdos, se aprendemos primeiro a língua gestual, então essa é a nossa língua materna Por exemplo, os bebés para comunicação ser fluente, não vão oralizar, vão gestualizar, então a lingua materna dessas crianças surdas é a língua gestual No entanto, há surdos cuja primeira lingua que aprendem é a lingua oral então é a sua lingua materna e têm com segunda lingua a língua gestual

A maioria é assim! A Lingua Gestual Portuguesa tem uma origem, tem uma história por de trás Antes, já existiam gestos em Portugal, as pessoas já comunicaram assim, Mas um homem com este nome gestual, que se chamava Par Aron Borg natural da Suíça ou da Suécia que viajou até aqui para ensinar a abecedário que se espalhou Eu acho que é da Suíça O que é a Língua Gestual Portuguesa? Então é uma lingua igual a todas as outras línguas, o Inglês, o francês, o alemão , o espanhol, etc É uma lingua! Gestual porque é visual é feita com as mãos e Portuguesa porque é o nosso país, a nossa bandeira, então LGP, Lingua Gestual Portuguesa Numero 1 A Lingua Gestual é toda igual? Não! É diferente de país para país, é com as línguas orais, são diferentes de país para país, as línguas gestuais também são diferentes

Por exemplo: Há a LGP é de cá, a LSF que é da França, a BSL que é a Inglesa, ASL que é a Americana No mundo há muitas línguas Número 2 Quem é que inventou o abecedário em LGP? Foi um homem que se chama Par Aron Borg, que tem este nome gestual e é suiço e professor de teatro E um dia teve a ideia, ao ver um menino a gestualizar num teatro, e trouxe o alfabeto manual para Portugal Número 3 Onde foi fundada a primeira escola para surdos em Portugal? Foi a Casa Pia em Lisboa no ano 1823 a mando do Rei D

João VI Número 4 Portugal foi o 6º país a reconhecer a Lingua Gestual nacional De facto, Portugal foi o 6º pais a aprovar a Língua Gestual Pelo mundo, os países foram aprovando e Portugal foi o 6º a aprovar a Língua Gestual Portuguesa em Assembleia da República Número 5 A Língua Gestual Portuguesa também é aprendida em Africa, em vários países, por exemplo Cabo Verde, Angola, Moçambique, em vários Número 6 Cada pessoa tem um nome especial, um nome gestual, que nos identifica através de uma expressão, um hábito e é assim que é dado o nome gestual Por exemplo, quem me deu o meu nome gestual foi a Ana, foi ela que me deu o meu nome gestual que é este porque isto e um J que vem do meu nome Jéssica, então ficou assim esta configuração e na testa Porque quando eu era pequena usava franja, então ficou assim

Obrigada Ana! O meu nome gestual é este Porquê? Porque desde criança que eu me rio e fico com os olhos assim que pareço chinesa, e então o meu nome é assim Sim! Há cursos na associação da Lisboa, no Porto ou numa associação surdo perto de ti Se queres um curso oficial de Lingua Gestual Portuguesa podes tirar – la na escola Superior de Coimbra, na Universidade Católica Português de Lisboa Queres aprender Lingua Gestual online? Podes fazê-lo aqui só tes que te registar com o teu email, palavra – passe, etc

Obrigada por verem o meu vídeo Por favor gostem do vídeo e subscrevem para não perderem as próximas novidades Quero agradecer também à Ana por ter aceito o meu convite A Lingua Gestual é muito bonita! Obrigada, Adeus! Também agradeço a vocês que me viram Bye Bye Bye Beijinhos xo xo xo

#OE2018: Contratação de intérpretes de Língua Gestual Portuguesa

Srs membros do Governo, avocamos hoje o artigo 43-A do Orçamento relativo à contratação de intérpretes de Língua Gestual Portuguesa para o Serviço Nacional de Saúde

Sras e Srs Deputados, sabem como é que um cidadão surdo comunica num hospital com o médico para lhe transmitir o que sente? Pode parecer simples, mas não é Ou se faz acompanhar de um amigo ou de um familiar, ou paga do seu bolso a um intérprete, porque de outra forma não comunica Srs

Deputados, consideram que isto é mau? Então imaginem então um cenário de urgência médica em que este cidadão não tem propriamente tempo de se preparar para ir ao hospital, e portanto poderá ver-se impossibilitado de se fazer entender numa situação de emergência Atualmente não estão asseguradas as acessibilidades de pessoas surdas a todos os serviços públicos, nomeadamente ao Serviço Nacional de Saúde Os hospitais não dispõem de intérpretes de Língua Gestual Portuguesa Se acessibilidade significa a possibilidade de aceder a qualquer serviço, então só seremos um país verdadeiramente acessível e inclusivo no dia em que todas as pessoas conseguirem entrar num serviço público e serem atendidas e compreendidas com toda a normalidade com que cada um dos Srs Deputados o faz

A Lei proíbe e pune a discriminação em razão da deficiência, mas há discriminação enquanto existirem cidadãos a viver à margem do quotidiano Pior, essa discriminação parte do próprio Estado, pois não está a assegurar condições de igualdade para todos, como é seu dever Assim, é necessário assegurar a presença de intérpretes no Serviço Nacional de Saúde em todo o território nacional, garantindo o acesso das pessoas surdas ao serviço de saúde, permitindo a igualdade de acesso e atendimento Desta forma, o PAN propõe a contratação de intérpretes de Língua Gestual Portuguesa, por forma a que existam pelo menos 3 intérpretes por cada distrito, o que significa cerca de meia centena destes técnicos Muito obrigado

#OE2019 | Contratação de 25 intérpretes de língua gestual portuguesa para o SNS

Sr Presidente, Srs Membros do Governo, Sras e Srs Deputados Avocamos a proposta de alteração 74C, referente ao artigo 36

º-A do Orçamento, que visa a contratação de 25 intérpretes de língua gestual portuguesa para o Serviço Nacional de Saúde, com prioridade para a resposta a episódios de urgência no contexto dos 25 Serviços de Urgência Médico-Cirúrgica existentes no país Acessibilidade significa a possibilidade de aceder a algo No entanto, no caso das deficiências em particular, significa também o acesso com normalidade Por exemplo, os serviços da Segurança Social são considerados acessíveis pois é possível ao cidadão surdo solicitar o atendimento em língua gestual portuguesa No entanto, terá que aguardar cerca de 2 ou 3 semanas até que esse atendimento lhe seja marcado, ao passo que uma outra pessoa sem deficiência simplesmente se dirige ao balcão e é atendida

Há acessibilidade? Formalmente sim Há normalidade? Não, portanto, a acessibilidade é limitada A situação ganha especial relevância quando pensamos nos serviços de saúde Os centros de saúde e hospitais não dispõem de intérpretes apesar de genericamente serem obrigados a isso Mas então como é que um cidadão surdo comunica com o seu médico e lhe explica o que está a sentir? Ou leva consigo um familiar que possa interpretar o que está a dizer, ou paga do seu bolso a um intérprete, ou vai ter muitas dificuldades em comunicar com o médico, assistentes administrativos, enfermeiros, etc

Isto torna-se mais grave ainda em situações de emergência médica, em que a pessoa surda não tem a possibilidade de organizar uma ida ao hospital acompanhada de um intérprete Recordamos que o acesso à saúde se trata de um direito fundamental de todos os cidadãos A Lei nº 46/2006, de 28 de Agosto, proíbe e pune a discriminação em razão da deficiência Mas existe discriminação enquanto existirem cidadãos a viver à margem do quotidiano

Pior, essa discriminação parte do próprio Estado, porque não assegura condições de igualdade para todos como é seu dever No preâmbulo do Decreto-Lei nº 163/2006, de 8 de Agosto, podemos ler que “A promoção da acessibilidade constitui um elemento fundamental na qualidade de vida das pessoas, sendo um meio imprescindível para o exercício dos direitos que são conferidos a qualquer membro de uma sociedade democrática, contribuindo decisivamente para um maior reforço dos laços sociais, para uma maior participação cívica de todos aqueles que a integram e, consequentemente, para um crescente aprofundamento da solidariedade no Estado social de direito No entanto, a verdade é que os referidos diplomas são de 2004 e 2006 e essas barreiras continuam a existir ainda hoje Passados mais de 10 anos uma pessoa surda continua a não ter acessibilidade em hospitais, centros de saúde, serviços camarários, assembleias municipais, bibliotecas, ensino superior, e por aí adiante

Em suma, têm sido dados passos no sentido de melhorar as condições de vida dos cidadãos com deficiência? Sim São suficientes para assegurar uma vida independente? Não Só a inclusão nos pode conduzir a uma sociedade mais justa, com iguais oportunidades para todos, só assim se impedindo a discriminação dos vários grupos sociais As barreiras não são só arquitectónicas, são também sociais, culturais e políticas Todos devem ter acesso às diferentes oportunidades existentes, seja à cultura, aos espaços, aos edifícios, às comunicações, aos serviços, à economia e à participação política, em condições de igualdade e, enquanto isso não acontecer, não podemos dizer que vivemos numa sociedade igual e justa para todos os cidadãos

Se tudo isto ainda não é possível, pelo menos que todos tenhamos direito à saúde e a um tratamento digno no nosso sistema nacional Precisamos urgentemente de intérpretes de Língua Gestual Portuguesa no Serviço Nacional de Saúde, priorizando a resposta a episódios de urgência no contexto dos 25 Serviços de Urgência Médico-Cirúrgica existentes no país