Grammy para melhor canção em língua portuguesa foi para as jovens Anavitória

Grammy para melhor canção em língua portuguesa foi para as jovens Anavitória Grammy para melhor canção em língua portuguesa foi para as jovens Anavitória Trevo (Tu), da dupla brasileira Anavitória, foi distinguida como “melhor canção em língua portuguesa” nos Grammy Latinos

O disco destas jovens cantoras acaba de ser lançado em Portugal O trevo, neste caso, teve quatro folhas: candidata ao Grammy Latino, a canção Trevo (Tu) levou o galardão de “melhor canção em língua portuguesa ” Mas antes desse prémio, já tivera o prémio do público, pelo menos nas redes sociais: mais de 32 milhões de visualizações no YouTube e mais de 28 milhões de acessos em streaming no Spotify Razões para tamanha fama? Nem elas são capazes de explicar De passagem por Portugal (onde nunca tinham estado; aliás, nunca tinham viajado para fora do Brasil), as jovens Ana Caetano e Vitória Falcão foram contando à imprensa a sua história, ainda breve

O que as trouxe cá? Os concertos de Diogo Piçarra, com lotações esgotadas, onde elas participaram como convidadas, até porque regravaram com ele o tema agora premiado (há um vídeo no YouTube) para a edição portuguesa do seu álbum de estreia, Anavitória, editado pela Universal Do coração do Brasil Mas comecemos do princípio: Ana e Vitória (cuja junção de nomes deu origem ao nome da dupla) nasceram em estados vizinhos, os mais centrais do Brasil, Tocantins e Goiás Ana Clara Caetano Costa nasceu em Goiânia (Goiás), em 5 de Outubro de 1994, e Vitória Fernandes Falcão nasceu em Araguaína (Tocantins), em 2 de Maio de 1995 Ambas com familiares ligados à música, foi numa escola de Araguaína que se conheceram

“A gente se conhece da escola mas só virou amiga em 2013”, diz Vitória Nessa altura já andavam na universidade, Ana em Medicina, Vitória em Direito Ana: “A gente se adicionou nas redes sociais, eu vi um vídeo dela cantando e chamei ela p’ra gravar comigo, porque eu tinha um canal no Youtube onde colocava as minhas composições” Gravaram uma versão de uma música, assinando ainda Ana Caetano feat

Vitória Falcão, e depressa chegaram a três vídeos “A gente se encontrava nas férias p’ra gravar, porque eu já morava longe”, diz Ana “E no terceiro vídeo a gente fez uma música do Tiago Iorc, Um dia após outro” Foi este vídeo que foi enviado para o empresário artístico de Tiago, Felipe Simas “Só p’ra ver se ele assistia, não era para agradar em nada”, diz Ana

“Mas acabou acontecendo”, completa Vitória “Aí eles nos convidaram para gravar um EP”, diz Ana, “e no final de 2014 e em Janeiro de 2015 a gente já estava em São Paulo gravando” Começava assim uma aventura que chegou este ano às lojas, no CD Anavitória Juntas e muito diferentes Na edição brasileira, o tema que agora ganhou um Grammy Latino foi gravado com Tiago Iorc, cantor, compositor e produtor musical nascido em Brasília, em 1985

Tiago é, para Ana e Vitória, uma das inspirações musicais assumidas, a par de nomes como Mallu Magalhães e Los Hermanos No EP de estreia da dupla, que antecedeu Anavitória e fez também sucesso nas redes sociais (em particular o tema Singular), houve quem definisse a sua música como “pop rural” Vitória: “Esse lance de pop rural é classificação Eu acho que é uma música leve, que fala de amor Abertamente, sem rodeios

” Ana concorda: “Assino em baixo” Mas há uma coisa que as distingue, para lá disso: o uso que fazem das suas vozes em duo “No Brasil”, começa por dizer Vitória, “a maioria das duplas [e isto é dito pelas duas, em uníssono e inesperada sincronia, ficando depois Ana a completar sozinha a resposta] não têm as vozes brilhando juntas Há uma voz coadjuvante e outra que brilha em cima

Nós cantando juntas é uma coisa diferente e isso é bem característico do nosso som” Vitória: “Há gente que diz não saber distinguir as nossas vozes, quando estamos cantando juntas E são vozes muito diferentes” “Isso dá muito a cara do que é Anavitória”, completa Ana