PITÁGORAS, EUCLIDES e os Números Perfeitos │MATEMÁTICA

Fala galera, tudo certinho? (alguma introdução rápida caso seja eu falando) No vídeo anterior, falamos sobre o rolê de Pitágoras, que fundou a Irmandade Pitagórica na cidade de Crotona, situada onde hoje é o Sul da Itália Entre ritos obscuros, a Irmandade foi responsável por grandes conclusões matemáticas usando a geometria, como mostramos no caso do famoso e super importante Teorema de Pitágoras

Além das demonstrações, outro interesse dos Pitagóricos era pelos números inteiros e pelas frações, conhecidos como números racionais Entre esses números, eles tinham especial interesse por aqueles que chamaram de números perfeitos ———Vinheta———————————— Antes de explicar os números perfeitos é importante esclarecer alguns conceitos sobre divisores, para garantir que estejamos falando a mesma coisa Os divisores de um número inteiro qualquer, são aqueles que a divisão resulta em um número inteiro, sem resto Por exemplo, o número 12 tem como divisores o número 1, 2, 3, 4, 6 e 12! Os números primos são aqueles que têm somente dois divisores positivos , o número 1 e ele mesmo

É o caso do número 2, 3, 5, 7, 11, 13 O conceito de máximo divisor comum é o maior divisor que dois números compartilham Por exemplo, os divisores de 12 e 20 são respectivamente: 12 – 1,2,3,4, 6, 12 20 – 1,2, 4,5, 10, 20 Ou seja, os divisores em comum entre 12 e 20 são 1, 2 e 4 e, portanto, o máximo divisor em comum é o número 4 Uma forma de encontrar facilmente esse número é escrevendo 12 e 20 como fatores de números primos

Por exemplo, o número 12 pode ser escrito como 2x2x3 Já o número 20 pode ser escrito como 2x2x5 Veja como 2×2 aparece em ambos os números, mostrando por mais uma maneira, que o máximo divisor comum de ambos os números é 4 Agora é com você, qual é o máximo divisor comum dos números 36 e 48? Escreva nos comentários aqui embaixo como você chegou no resultado Agora sim, falando do que a gente veio falar, para os Pitagóricos, quando somamos os divisores de um número, exceto ele mesmo, e sua soma resulta no próprio número, ele era chamado de NÚMERO PERFEITO Um exemplo de número perfeito é o número 6 Seus divisores, exceto ele mesmo são 1, 2 e 3 e como 1 + 2 + 3 = 6, ele era considerado um número perfeito O número perfeito seguinte é o 28, porque seus divisores são 1 2 4 7 14, que quando somados, resultam em 28 À medida que os números inteiros se tornam maiores, a tarefa de encontrar números perfeitos se torna mais difícil O terceiro número perfeito é 496, o quarto é 8

128, o quinto é 33550336 Os Pitagóricos sabiam que, embora se tornassem muito distantes um do outro, eles não paravam de aparecer, sugerindo haver um padrão entre eles No entanto, nunca chegaram a identificar qual era este padrão Foi Euclides, dois séculos depois, quem encontrou esse padrão

Euclides de Alexandria é considerado o pai da geometria, ou melhor, pai da geometria que nós aprendemos na escola: a geometria euclidiana Sim, há outras geometrias além da que estudamos, mas isso é assunto para outro vídeo Euclides nasceu no séc lll aC

no Egito Foi provavelmente aluno da escola platônica Sua principal obra é o livro “Os Elementos” , com 13 volumes, onde Euclides reúne todo o conhecimento até então adquirido pela humanidade sobre: geometria plana, teoria dos números, e geometria espacial Euclides emprega o método axiomático, ou seja, logo na primeira página do livro ele já define os axiomas de sua geometria Os axiomas são aquelas verdades que não precisam ser provadas por serem fundamentais

A partir dos axiomas, todas os teoremas são formulados através do desenvolvimento por lógica dos axiomas “Os Elementos” é ainda considerado, por muitos matemáticos, como o melhor livro texto jamais produzido, sendo considerado também um marco para a metodologia científica A forma de estruturar o argumento, com: axiomas, hipótese e comprovação, se tornou a base de tudo que surgiu na matemática, lógica e suas diversas variações de aplicações A utilização de axiomas só foi contestada na período das Grandes Guerras, mas isso também é tema para outro vídeo Voltando ao Euclides e os números perfeitos, ele percebeu e mostrou que estes números são sempre múltiplos de dois números, sendo que um deles é uma potência de 2 e o outro é a potência seguinte de dois menos 1

Ou seja, 6 = 2¹ x (2² – 1) 28 = 2² x (2³ – 1) 496 = 24 x (25 – 1) 8128 = 26x (27 – 1) Ele chegou nisso, baseado naquela decomposição dos números pelos números primos… Loco, não? Quem diria que era tão simples… Agora que sabe a regra, calcula aí qual o sexto número perfeito? —- END CARD —- É isso pessoal, espero que tenham gostado desse vídeo Deixem aqui nos comentários o que vocês acharam

Digam o que vocês mais gostam na matemática, ou o que tem mais dificuldade de entender, que a gente lê tudo e, quem sabe, a gente gente faz um vídeo que vai deixar a tua vida mais feliz Participe do reVisão com a gente Falow!